Consumo Maior de Proteínas Gera Lesão nos Rins?

NÃO, o maior consumo de proteínas, não gera lesão nos rins! É o que afirma o levantamento realizado por pesquisadores norte-americanos. Mas vamos com CALMA nobre marombeiro, antes de querer virar um tiranossauro REX ou um walking dead, querendo comer qualquer carne que ver pela frente.

Vamos aos dados: Tratou-se de um levantamento auto-relatado de mais 11 mil pessoas. Em que as informações foram cruzadas com as próprias variáveis biológicas contidas numa espécie de banco nacional de dados em saúde. Os resultados mostraram que pessoas que consumiam dietas com maior teor de proteínas apresentaram menores valores de circunferência abdominal, peso corporal e índice de massa corporal, além de redução do risco de desenvolvimento de doença cardiovascular (valores adequados de alguns marcadores bioquímicos como: HDL, LDL, triglicérides, glicose e insulina).

Leia também:

30 Mitos da Nutrição e Exercício Físico

Comecei a Malhar, Preciso Comer Mais Proteínas?

Ingerir Mais Proteínas Acelera o Emagrecimento?

Contudo o principal achado do estudo, foram que valores de taxa de filtração glomerular (índice de filtração do sangue pelo rim) e creatinina (um marcador metabólico da creatina, cujo valor pode ser usado para avaliar insuficiência renal) não foram alterados por dietas hiperproteicas. Interessante não? É sempre bom quebrar paradigmas, ENTRETANTO… Muitos profissionais só leem o resumo dos artigos, né? A má-interpretação das informações pode sensacionalizar ou ofuscar a transmissão do conteúdo dos estudos para a população leiga.

Ressalvas devem ser feitas:

1) Foi considerado como dieta hiperproteica valores acima de 0,8g/kg de peso corporal (valores para uma pessoa normal que NÃO PRATICA EXERCÍCIO FÍSICO).

2) Não houve avaliação de histórico de doença renal prévia familiar (ou seja, os achados devem levar em consideração pessoas sem esse antecedente).

3) como auto-relato pode ocorrer subestimação ou superestimação do relato alimentar diário.

4) os resultados levam em consideração os valores médios de proteínas consumidas (per se) e não a interação com os valores energéticos ou dos outros macronutrientes.

5) Somente proteína da carne e vegetal (estiveram associadas a melhora da composição corporal; Derivadas do leite e vegetal estiveram associadas a melhora de marcadores de redução de risco de DCV.

6) Não ficou claro a relação das informações acerca da prática/ tipo de exercícios físicos praticados pela população.

Portanto, embora o consumo “hiperproteico” parece não exercer dano renal em pessoas sem histórico para a doença, o estudo não levou apropriada consideração a relação com a prática de exercícios físicos.

Contudo, caso pinte a dúvida sobre esse tema, não esqueça de perguntar para seu personal e principalmente para seu nutricionista.

Referencia:

Berryman CE et al. Diets higher in animal and plant protein are associated with lower adiposity and do not impair kidney function in US adults. Am J Clin Nutr. 2016 Jul 27.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *