Efeito Pouco Relatado da Musculação sobre a Saúde

Que a prática de musculação é capaz de melhorar a composição corporal, fortalecimento muscular e emagrecimento, todos já sabem. Diversos são os motivos, entretanto alguns são pouco relatados pelos profissionais. E é aí , que na maioria das vezes, é importante conhecer os mecanismos que elucidam o porquê alguns efeitos são capazes de transformar por toda a vida o funcionamento metabólico de quem o pratica.

A contração muscular/aumento da massa muscular é capaz de potencializar a liberação de citocinas anti-inflamatórias. Também citadas como hormônios musculares capazes de transformar seu corpo, mesmo quando ele não está se exercitando. A modulação das reações, permite que as células dos marombeiros, melhorem diversos aspectos biológicos, como: capacidade anti-oxidante do corpo, devido ao aumento da qualidade e quantidade das mitocôndrias musculares! O que além de melhorar sua capacidade cardiorrespiratória (Ué?! Sem FAZER AERÓBICO? SIM!), reduz o estresse oxidativo e radicais livres circulantes, diminuindo a “FERRUGEM” do organismo.

Leia também:

Por Que O Exercício Físico É O Melhor Remédio para o Envelhecimento?

É Possível Fazer Musculação em Casa?

O Sono É um Importante Fator Para O Exercício Físico?

Outro aspecto é aumentar a capacidade de vasodilatação dos vasos sanguíneos, o que permite a melhora da irrigação e fluxo sanguíneo e entrega dos nutrientes para os órgãos. A melhora do apetite, fome e saciedade também tem relação com a melhora anti-inflamatória, principalmente por melhorar a atividade de hormônios ligados aos sinais propagados ao hipotálamo, que aumentam a resposta anorexígena pós treino e reduzem a vontade de comer, mais um aspecto da musculação que eleva capacidade de emagrecimento, em detrimento da reconstituição do glicogênio muscular depletado pela sessão.

Pergunte mais sobre isso para o seu personal, ele lhe explicará o quão mágico é o exercício independente de sua especificidade.

 

Referência:

De Salles BF et al. Effects of Resistance Training on Cytokines. Int J Sports Med 2010; 31: 441 – 50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *