Traços de Depressão Podem Interromper a Aderência ao Exercício Físico?

A depressão pode ser definida como uma desordem neurológica de complexa etiologia atribuída a um desequilíbrio bioquímico no cérebro, cujos desfechos estão associados a isolamento social, diminuição da motivação, entre outros, que incidem diretamente na redução da qualidade de vida.

Algumas patologias, podem contribuir para o surgimento de traços depressivos que indiretamente podem comprometer ainda mais o quadro. A diabetes mellitus do tipo do 2 pode ser uma dela. E paralelamente isso pode prejudicar as formas de tratamento, como por exemplo a prática de exercícios físicos.

Leia também:

Perda de Massa Muscular É Uma Doença?

Beber Café Auxilia na Diabetes?

Praticar Corrida É o Segredo para a Longevidade

É o que mostrou o artigo publicado na Diabetic Medicine, no qual 624 pacientes foram avaliados. Destes 26,8% apresentaram um score positivo para sintomas depressivos. Ademais, dentro do programa de exercícios físicos supervisionados, apenas 54,6% dos pacientes completaram o programa. O que sugere que além de sintomas depressivos estarem prevalentes no DMT2, os mesmos tem efeito negativo na aderência ao protocolo de exercícios físicos.

Embora, o estudo tenha tratado de pacientes com DMT2, traços/sintomas de depressão podem ser associados a falta de interesse ou até mesmo a interrupção da prática de exercícios físicos.

Indicar suporte psicológico especializado pode ser o grande responsável pela sucesso da prática/aderência ao exercício físico e talvez não somente a preocupação com a modulação única e exclusiva das cargas de treinamento.

Aos personais, fica a reflexão!

 Referência:

Swardfager W et al. Depressive symptoms predict non-completion of  structured exercise intervention for people with Type 2 diabetes. Diabet Med. 2016 Apr;33(4):529-36.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *