Comer Ovo Faz Bem?

O ovo é um excelente alimento fonte de vitaminas, minerais, proteínas e gorduras. O colesterol desempenha um papel vital na biologia celular. O colesterol dietético ou colesterol “exógeno” é responsável por aproximadamente um terço do colesterol corporal! Os 70% restantes são sintetizados no corpo: colesterol endógeno.

O aumento da ingestão de colesterol na dieta pode resultar em aumento do colesterol sérico em alguns indivíduos. Inclusive do próprio HDL. Por outro lado, outros indivíduos podem não responder ao colesterol dietético. Portanto, a visão reducionista de que o colesterol é vilão deve ser revista. Vista que o HDL, chamado de colesterol “bom”, faz parte desse racional. Alterações das concentrações de insulina e glicose plasmática, apresentam mais impacto negativo do que o colesterol propriamente dito! Entretanto isso não quer dizer que estados de hipercolesterolemia não devam ser evitados.

O ovo é uma fonte alimentar “polêmica”, que assim como o leite é apresentado como um alimento inflamatório. Bom é mais fácil sensacionalizar algo do que pesquisar sobre não?

Um estudo publicado semana passada, mostrou que o consumo de 3 ovos por dia está associado ao aumento da concentração de HDL, a principal lipoproteína anti-aterogênica (reduz agregação de gordura nos tecidos e vasos do corpo). Além disso, HDL é um portador de carotenóides e enzimas antioxidantes, que protegem as partículas de HDL e LDL contra a oxidação, o principal mecanismo que transforma deletericamente algumas moléculas de colesterol, tornando-as lesivas ao nosso corpo. Além de ser uma excelente fonte proteica e de micronutrientes, o estudo demonstra que o ovo também apresenta capacidade antioxidante, anti-inflamatória e de melhora do HDL.

Se seu nutricionista não está atualizado com esse recente estudo mostre isso a ele, acho que ele irá lhe agradecer. E nunca deixe de consultá-lo!

Referência:

DiMarco, et al. “Intake of up to 3 Eggs per Day Is Associated with Changes in HDL Function and Increased Plasma Antioxidants in Healthy, Young Adults.” American Society for Nutrition (2017). jn241877.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *