Treinar 2 Vezes Na Semana São Suficientes Para Gerar Hipertrofia?

Se preferir o conteúdo em vídeo, veja por aqui:

O treinamento com pesos, vulgo musculação. É apenas um dos diversos fatores que desencadeiam os sinais celulares de estimulação da síntese de proteínas musculares, a hipertrofia. Caso a responsividade esteja em dia, a sensibilidade hormonal afiada, os nutrientes adequados, a imunidade revigorada, muito provavelmente os resultados poderão ser modulados pela forma ou qualidade do treino. Mas aí vem aquele cara do shape espartano e diz pra você: “se não treinar pelo menos 3 vezes na semana você não vai crescer”. Você pobre mortal que acredita na condição de que aqueles que detém um shape esculpido a mão são os que você deveria escutar. Pois se eles são grandes eles sabem o que fazem.

Leia também:

Em Qual Horário Não Pode Faltar Proteína Objetivando Hipertrofia?

Como Estruturar um Treino Objetivando Hipertrofia?

Quanto Tempo De Intervalo Entre As Repetições Aumentam A Hipertrofia?

Bom, a você meu nobre leitor saiba que a ciência tem mostrado que treinar 2 vezes por semana, são suficientes para o desenvolvimento muscular. Na mesma proporção que 3 vezes. Ou seja, treinar 2 vezes apresenta os mesmos resultados que aqueles que treinam 3 vezes.

Pesquisadores norte americanos, fizeram um levantamento dos estudos que avaliaram os ganhos musculares de praticantes de musculação. E verificaram que treinar apenas 2 vezes por semana os principais grupos musculares é suficientemente capaz de potencializar a obtenção de hipertrofia muscular. Entretanto, infere-se que os principais grupos musculares devam ser treinados. Levando em consideração alguns aspectos que abordaremos em outros posts.

Bons treinos!

Confira esse material gratuito que desenvolvemos, são 30 dicas de hipertrofia, para você turbinar seus ganhos, basta clicar na imagem abaixo e fazer o download:

Referência:

Schoenfeld BJ et al. Effects of Resistance Training Frequency on Measures of MuscleHypertrophy: A Systematic Review and Meta-Analysis Sports Med, 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *