Quais Agentes Nutricionais Aumentam A Hipertrofia?

O ganho de massa muscular esquelética é regulado por um equilíbrio oscilatório diário entre síntese (SPM) e degradação de proteína muscular (CPM). Em pessoas saudáveis, a SPM é 4-5 vezes mais estimulada que o CPM. Ademais, outros fatores são pivotais na magnitude dos ganhos hipertróficos: Atividade hormonal, responsividade ao treinamento, desencadeamento de fatores de crescimento via mecânica contrátil muscular e agentes nutricionais.

No que concerne aos aspectos dietéticos, desde que outros nutrientes sejam adequados a necessidade diária, o consumo de proteínas de alto valor biologico é o lócus primário para determinação do ganho de massa muscular. No aspecto anticatabólico os carboidratos embora em menor capacidade, também são importantes. Ademais, outros agentes tem merecido atenção, estamos falando do ácido fosfatídico e do ursólico. Embora, ainda não consensuais, estudos tem mostrado que ambos podem exercer influência nos mecanismos moleculares de mediação da ação das fosfatases. E também expressão da transcrição e translação celular que mediam tanto o crescimento (síntese) quanto degradação muscular.

Leia também:

O Impacto do Jejum Intermitente na Massa Muscular

Consumo de Aminoácidos Durante A Musculação Aumenta A Hipertrofia Muscular?

30 Dicas de Hipertrofia

Resumindo o caminho da regulação molecular anabólica e catabólica do muculo, em termos nutricionais (lembre-se que a musculação, hormônios e genética são potenciais moduladores). 

Temos que a maior expressão da atividade do acido fosfatídico, via contração muscular, repercute diretamente na atividade da mTOR (principal proteína quinase de transdução do sinal anabólico). Em outra via, a insulina (cuja ação auxilia os sinais advindos do IGF1e GH) , via consumo de carboidratos, tem ação direta sobre a PI3K (uma proteína de ativação intermediária do processo), que por sua vez estimula a Akt, que estimula a mTOR e inibe a via das proteínas FOXO (ativadora da via de degradação muscular mediada pela ação das ubiquinas). Por último, temos a via direta dos aminoácidos essenciais das proteínas (principalmente a Leucina), que diretamente fazem rodar o complexo mTOR. Especula-se que o ácido ursólico auxilia a sinalização dessa via. Assim, a mTOR, acionará os sinais de estimulação da p70 S6K e inibição da 4E-BP1, ambas quinases que respctivamente estimulam e inibem a direta translação proteica e consequente síntese de proteínas musculares. 

O ácido fosfatídico, cuja biossíntese se faz presente no corpo humano. Já é comercializado como um suplemento para hipertrofia muscular. E o ácido ursólico, presente no alecrim, também tem gerado atenção em empresas alimentares. Já a nossa proteína, já é conhecida desde os primórdios!

Não esqueça, para estimular as vias de hipertrofia muscular, você deve ajustar o treino com seu personal trainer. A dieta com seu nutricionista e viver com alegria. Dormir igual a um bebê, e ter a motivação de um super saiyadjin! E lembre-se, isso você deve fazer pra vida toda! Não ache que isso é moda, isso é estilo de vida!

Referência:

Close GL et al., New strategies in sport nutrition to increase exercise perforance. Free Radic Biol Med. 2016 Feb 5. pii: S0891-5849(16)00030-7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *