Consumo de Cafeína e Ganhos de Hipertrofia

A cafeina é um agente molecular derivado das xantinas. Muito utilizado por praticantes de atividade física que almejam aumentar a performance atlética e estética. Por conta de seus efeitos retardo da fadiga, atividade termogênica e mobilização de ácidos graxos (gordura). Embora, o efeito a nível de gasto energético seja baixo: o que compele efeito controverso ao aspecto do uso para perda de peso. O uso associado a prática esportiva, se mostra ergogênica (aumenta a performance). Principalmente por atuar como mimético a atuação nervosa simpática e também por aumentar o tempo de resistência a um dado esforço físico, principalmente os exigidos em exercícios aeróbicos.

Embora, a magnitude dos efeitos seja também influenciada pela responsividade de cada indivíduo. Tem gente que pode tomar a vontade que não fica ligada no 220 volts. Ela também pode auxiliar no estado de alerta e cognição. Entretanto em indivíduos ansiosos, seu consumo pode aumentar o estado de ansiedade.

Por conta desses efeitos, a cafeína é muito utilizada por corredores, ciclistas, nadadores e praticantes de exercícios cíclicos de maior duração (doses entre 3 a 6 mg/kg). 

Ainda sobre uso no exercício, as evidências não suportam o efeito ergogênico da cafeína sobre a musculação. Embora, geralmente relacionada aos ganhos de força e desempenho nos exercícios resistidos. Pouco se sabia sobre seu efeito molecular na atividade hipertrófica das células musculares.

Para delírio dos Cyborgs marombeiros espartanos ginsu 2000, recentes estudos tem apontado que a cafeína parece exercer efeito na mobilização das vias moleculares associadas a hipertrofia muscular. E também na atividade endócrina do músculo (SIM! o músculo libera hormônios). Principalmente por melhorar a atividade autofágica muscular, reduzir a progressão de sarcopenia e aumentar a regeneração muscular. Embora, os efeitos tenham sido encontrados majoritariamente em estudos com modelo animal. Possivelmente em breve os resultados poderão ser certificados em modelo humano.

Enquanto isso, essa é mais uma evidência que a interação entre a alimentação ( lembre do seu nutricionista, hein?) e o treinamento físico (lembre do seu professor de educação física) formam o casal perfeito para seus resultados.

Referência:

Dirks-Naylor Amie J. The benefits of coffee on skeletal muscle, Life Sciences 2015 Dec. 15. 143. 182-6.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *