Exercício Aeróbio É Catabólico?

Sabe aquele termo usado para o cara que volta a treinar depois de certo período parado e num curto espaço de tempo recupera a boa forma! Seja ela muscular ou aptidão cardiorrespiratória? Essa condição popularmente é chamada de “memória muscular” ou “memória metabólica”. Usada também para justificar as adaptações de intervenções dietéticas.

Muitos não sabem, mais os efeitos da prática de exercícios (e também nos nutrientes da dieta) além de proporcionar positivas adaptações fisiológicas agudas (nas horas que sucedem a sessão) geram o mais importante: adaptações nos seus genes lá no seu DNA! Eles a longo prazo comandam os sinais para a maior expressão de “fabricação” de novas proteínas para todo o corpo. Ou seja, quanto mais ativo for um indivíduo maior será a quantidade de proteínas no seu corpo. E não estamos falando somente  de proteínas contráteis como actina, miosina, etc. Estamos falando de por exemplo de enzimas, fatores de transcrição e crescimento e por aí vai.

Leia também:

Praticar Corrida É o Segredo para a Longevidade

Tudo Sobre O Aeróbio em Jejum

Bom, será então que uma pessoa que ao longo da vida sempre gostou  de correr, terá um ambiente metabólico mais ávido por conta das adaptações gênicas? Um estudo avaliou o nível de estresse oxidativo e efeito do catabolismo muscular em corredores amadores seniores de endurance (±60anos). Divididos de acordo com o nível de experiência na prática pregressa (sedentários, recreacionais e amadores). Foram avaliados diversos marcadores como por exemplo a glutationa peroxidase.  

O resultado mostrou que o grupo com maior lastro de atividade física ao longo da vida apresentou maior conteúdo de enzimas antioxidantes responsáveis pela redução do estresse oxidativo. E também produção de radicais livres (previnem o corpo de enferrujar). Além de maior conteúdo enzimático associado a redução do catabolismo muscular. Os pesquisadores concluíram que corredores amadores forneceram impulsos celulares através da prática ao longo da vida que proporcionaram um aumento da resposta crônica enzimática a favor das defesas antioxidantes e melhora do mecanismo anabólico/anti-catabólico muscular.

Aos corredores fica a dica, contudo lembrem-se que a diferença entre o remédio e o veneno é a DOSE! Para isso procure seu personal ou educador físico.

Referência:

Barranco-Ruiz Y et al. Lifelong amateur endurance practice attenuates oxidative stress and prevents muscle wasting in senior adults. J Sports Med Phys Fitness. 2016 (In press) 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *