Aplicativos Fitness São Confiáveis?

Atualmente os meios tecnológicos possibilitam uma maior interação e familiarização com diversos assuntos. Um dos mais procurados é o concernente a prática de exercícios físicos. Aplicativos fitness de celulares, os famosos apps, prometem a obtenção de resultados estéticos e de saúde, a partir de dicas de treino, recomendações de exercícios físicos e até mesmo serviços de personal training ou coaching. Mas será que esses aplicativos são seguros?

Leia também:

O Que Emagrece Mais? Exercício Aeróbio ou Musculação?

Praticar Exercício Físico na Infância é Capaz de Garantir Saúde e Emagrecimento na Vida Adulta?

O Que É Necessário para Prescrever um Bom Treino?

Um levantamento científico realizado por Modave e colaboradores, demonstrou que dos mais de 100 mil apps relacionados ao tema, um número mediocremente baixo desses aplicativos leva em consideração o que diretrizes e consensos de órgãos especializados sobre o tema como o American College of Sports Medicine, relata. Isso é extremamente preocupante. Pois o surgimento de lesões é um dos principais motivos de abandono a prática regular de exercícios, o que tem impacto negativo no estilo de vida saudável, principal desencadeador das adaptações metabólicas ao longo da vida.

Não entrando do mérito do grau de avaliação cinesiológica e biomecânica do movimento, nível de treinabilidade do praticante, consciência corporal, motivação, aderência, descanso ou quaiquer outros aspectos inerentes a prescrição do exercício físico, nenhum aplicativo garantirá maior segurança da prescrição e monitoração do treinamento que a presença de um profissional especializado.

Vale a pena por em risco sua integridade física? Invista em saúde, procure um profissional qualificado e que consiga enxergar suas limitações ( SIM! TODOS NÓS POSSUÍMOS LIMITAÇÕES) na hora de prescrever seu treinamento. Bons treinos!

 Referência:

Modave F et al. Low quality of free coaching apps with respect to the american college of sports medicine guidelines: A review of current mobile apps. JMIR Mhealth Uhealth. 2015, 3 (3): 77.   

     

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *