Como A Indústria Do Açucar Está Nos Enganando A Mais De Meio Século

E na semana passada foi noticiado um escândalo no meio científico. No importantíssimo Journal of the American Medical Association foi publicado um artigo baseado em documentos dos anos 50 e 60. Este mostra que ocorreu uma manipulação grosseira e fraudulenta das diretrizes alimentares (até hoje vigentes), através de influência (política e financeira) da Associação do Açúcar.

Documentos recentemente descobertos por um pesquisador da Universidade da Califórnia sugerem que: cinco décadas de pesquisa sobre o papel da nutrição na doença cardíaca podem ter sido moldados em grande parte pela indústria do açúcar.

Antes de continuar o post, gostaria de fazer um convite. A Citius montou um programa completo de emagrecimento. Feito para você que quer emagrecer de forma simples, eficiente e para sempre. Clique na imagem abaixo e confira:

Voltando ao assunto, a indústria açucareira pagou uma BELA QUANTIA para cientistas minimizarem a ligação entre açúcar e doença cardíaca. Não só isso, deveriam promover a gordura saturada como a culpada em seu lugar. E o interessante é que um desses cientistas, alguns anos depois ajudou a elaborar as orientações dietéticas do governo americano, essas mesmas orientações que foram replicadas por outros países e estão em vigor até hoje.  Depois que os artigos pagos pela indústria foram publicados, o debate sobre o açúcar e as doenças cardíacas se extinguiu, enquanto as dietas de baixa gordura ganharam o apoio de muitas autoridades.

Hoje, analisando toda a literatura científica disponível vemos que NÃO EXISTE associação entre consumo de gorduras saturadas e doenças cardíacas! E você ai rejeitando aquela deliciosa capa de gordura da picanha não é mesmo?

Referência:

Kearns CE, Schmidt LA, Glantz SA. Sugar Industry and Coronary Heart Disease Research: A Historical Analysis of Internal Industry Documents. JAMA Intern Med. Published online September 12, 2016. doi:10.1001/jamainternmed.2016.5394.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *