Por que Certas Dietas Podem Engordar ao Invés de Emagrecer?

Por que certas dietas ao invés de emagrecer, aumentam o ganho de peso corporal? Primeira coisa a ser considerada é que a dieta, tende a ser uma ferramenta nutricional de reajuste metabólico no seu corpo. Em prol da melhora do metabolismo e consequentemente modulação dos objetivos pretendidos. Que se faz a partir da adequação de nutrientes e condutas gerenciados pelo nutricionista.

Contudo, é importante entender que determinados nutrientes podem alterar a expressão de diversos hormônios. Entre eles o neuropeptídeo Y (hormônio anorexígeno, que suprime o apetite nas vias centrais que organizam as sensações de fome, saciedade e apetite no hipotálamo). 

Esse constante bombardeio de mensageiros hormonais centrais, tem direta relação com a composição da dieta e é essa uma das razões das quais algumas pessoas não conseguem parar de comer, o que por exemplo seria um rastreio para a não indicação de intervenções dietéticas restritivas. Como lowcarb, paleodiet, jejum intermitente, entre outras.  Por exemplo, o sistema do NPY é hipersensível a açucares, principalmente em pessoas “viciadas” em doces,. O que desencadeia um processo de programação dessas vias a longo prazo! Portanto nada de achar que qualquer dieta irá emagrecer ou se o paciente não aderir a dieta a culpa é dele. A redução dessa ativação leva alguns meses e até mesmo anos. E deve ser rastreada e levada em consideração durante a anamnese do paciente. 

Leia também:

Existe Dieta Detox?

O que Emagrece Mais? Diminuir Carboidratos ou Gordura na Dieta?

Assim, como o açúcar alimentos com alto teor de gordura estimulam a interação das vias NPY-dopaminérgico-mesolímbico, associadas a sensação de prazer. Oque podem induzir de uma maneira “psciopatofisiológica” a escolha de alimentos altamente palatáveis e energeticamente densos. Principalmente estando o indivíduo sob dietas que não levem em consideração que esses centros cerebrais estão hiperestimulados, como por exemplo acontece em pessoas obesas. Muitas das vezes, intervenções dietéticas que não levam em consideração alternativas viáveis de “desmame” (alimentos palatáveis) progressivo para dessensibilização dessas vias e consequente redução das possibilidades de ataques de “gula” ou compulsão alimentar, podem ocasionar o inverso do objetivo pretendido, nessa caso específico ao invés de emagrecer levar ao ganho maior de peso corporal. Fica a dica!

Referência:

Gumbs, Myrtille CR, José K. van den Heuvel, and Susanne E. la Fleur. “The effect of obesogenic diets on brain Neuropeptide Y.” Physiology & behavior (2016).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *