Por que para Emagrecer Dependemos do Intestino?

O emagrecimento depende da melhora do metabolismo. Você pode emagrecer rapidamente ficando sem comer nada. Ou também restringir o máximo de energia durante dias. Contudo não sustentará ou terá dificuldade em sustentar o peso perdido ao longo dos anos. Isso acontece pois as diversas rotas metabólicas de nosso corpo: epigenéticas, inflamatórias, hormonais, imunes e microbióticas. Interagem para coordenar uma ação sustentada de todo processo metabólico de queima de gordura.

Antes de continuar o post, gostaria de fazer um convite. A Citius montou um programa completo de emagrecimento. Feito para você que quer emagrecer de forma simples, eficiente e para sempre. Clique na imagem abaixo e confira:

Voltando, um dos sistemas negligenciados durante um protocolo de emagrecimento é o intestino. Ao pensar em restringir energia ou comer somente um determinado tipo de comida, ou ainda não respeitar intolerâncias . Ou ainda não observar sinais de irritabilidade intestinal levam ao provável fracasso no emagrecimento.
Além de ser responsável “só” pela absorção dos nutrientes. Ou seja, de nada adiantar fazer uma alimentação saudável se quem permite a entrada dos nutrientes no corpo estiver funcionando erradamente. É como ganhar no baú da felicidade e não poder abrir a porta da casa para receber os prêmios ( Maaa oiiii…beijo Silvio!).
Prisão de ventre, intolerância, dor de cabeça, irritabilidade, diarreia, náusea, podem ser sinais e sintomas de problemas intestinais que inviabilizam a absorção dos nutrientes da dieta. A partir daí uma das principais rotas metabólicas, senão a principal, fica prejudicada e desencadeia um processo sistêmico de inflamação, desequilíbrio hormonal, alteração dos microrganismos intestinais que são fundamentais para o processo digestivo e absortivo e consequentemente alteram o comportamento do metabolismo, o que não permite que seu corpo queime adequadamente gordura e com isso não consiga perder peso.
Falamos sobre esses aspectos em nosso workshop, clica no link e entenda melhor isso.

Referência:

Neufeld KM et al. Reframing the Teenage Wasteland: Adolescent Microbiota-Gut-Brain Axis. The Canadian Journal of Psychiatry 61(4); 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *