Dormir Pouco Pode Engordar?

Dormir pouco pode engordar? A resposta é SIM! Estudo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America avaliou o impacto de insuficiente horas de sono sobre o aumento de peso corporal. Foram avaliados 16 adultos ao longo de 2 semanas. Na primeira semana eles dormiram apenas 5 horas por dia, na conseguinte 9 horas. Os resultados mostraram que os dias de sono insuficiente aumentaram o gasto energético em aproximadamente 5% (calma, jovem! continue lendo, não ache que isso foi promissor, imagine que seu corpo esteja “lutando” pra se manter em vigília).

Entretanto, o consumo energético, especialmente a noite, após o jantar, apresentou-se significativamente elevado, o que refletiu no aumento do valor calórico total diário. Dormir poucas horas levou ao aumento de aproximadamente 1 kg de peso corporal. As justificativas para esses resultados foram as mudanças no comportamento alimentar prejudicadas pelo desequilíbrio de hormônios que controlam os centros hipotalâmicos de fome, saciedade e apetite (leptina, grelina e peptídeo YY). Além disso, o ciclo circadiano alterado pela alteração de melatonina, também foi sugerido. Diante disso, os autores sugerem que o sono, ao contrário do que outros estudos dizem, pode desempenhar um importante papel regulatório do metabolismo, principalmente por alterar o comportamento alimentar.

Antes de continuar o post, gostaria de fazer um convite. A Citius montou um programa completo de emagrecimento. Feito para você que quer emagrecer de forma simples, eficiente e para sempre. Clique na imagem abaixo e confira:

Voltando ao assunto, e você aí achando que o sono não fazia parte de programas de redução de peso corporal. Entenda que “ganhar” ou perder peso, depende de inúmeros fatores. Para as dúvidas, consulte sempre seu nutricionista, educador físico, médico ou profissional de saúde que está lhe acompanhando.

 Referência:

 Markwald et al. Impact of insufficient sleep on total daily energy expenditure, food intake, and weight gain. PNAS, 2013, v.110, n.14, 5695–5700.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *